contato@processitech.com.br | (41) 3049-6597 | 99768-5910

Sob medida para proteger e decorar

Coadjuvante em muitos projetos residenciais que contemplam escadas, sacada ou mezanino, o guarda-corpo ou parapeito é muito mais do que um simples equipamento decorativo. Ao criar uma barreira física entre pavimentos de diferentes alturas, ele assume um papel fundamental na prevenção de quedas e acidentes, garantindo a segurança dos moradores.

Diferente do que ocorre nos projetos comerciais, no entanto, não há obrigação para a instalação do equipamento nas residências, lembra Cezar Benoliel, engenheiro e membro da Câmara Especializada de Engenharia de Segurança do Trabalho do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR). “Nas residências não há fiscalização sobre a instalação do guarda-corpo. Vale o bom senso, a ética e a consciência do profissional que desenvolve o projeto e deve instalá-lo de forma adequada”, acrescenta a arquiteta Daniela Barranco Omairi.

Neste caso, o parâmetro seguido pelos profissionais é a normativa NBR 14718 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que regulamenta o uso do equipamento tanto para as edificações residenciais quanto comerciais. Pela norma, o guarda-corpo deve ter altura mínima de 1,1 metro entre o piso acabado e a parte superior do peitoril. Se a peça for constituída por perfis do tipo gradil, a distância entre eles e também a referente ao piso não deve ser superior a 11 centímetros. Outra determinação é que o equipamento não apresente ornamentos ou travessas que possam ser utilizados como degraus.

“O guarda-corpo deve ser instalado de modo a respeitar as cargas e impactos exigidos pela norma. Por isso, recomenda-se sempre procurar uma empresa especializada no produto, que atenda as normas e respeite as exigências de segurança”, lembra Régis Penha, sócio-proprietário da Forma & Função, especializada em corrimão e guarda-corpo.

Corrimão

Assim como o guarda-corpo, o corrimão também previne a ocorrência de quedas por pessoas com alguma dificuldade de locomoção e garante o conforto de quem transita pela casa.

Sua instalação é orientada pela norma da ABNT que trata da acessibilidade das edificações. O texto estipualtura de 92 centímetros para a colocação da barra em relação ao nível do piso ou do degrau e um afastamento mínimo de quatro centímetros da parede em que for fixada.

Materiais

A escolha do design e acabamento das peças não deve superar a funcionalidade e a segurança dos equipamentos, mas pode ajudar a compor uma linguagem harmônica deles com o restante da obra. O aço inox e o vidro ou a combinação dos dois materiais estão entre as preferências dos profissionais. “O melhor vidro é o temperado laminado que, se quebrar, fica preso à lâmina, evitando acidentes”, orienta Daniela.

O fator ambiental também deve ser levado em conta para a escolha dos materiais. Penha lembra que em regiões praianas, o uso de peças de ferro deve ser evitado. Elas podem sofrer a ação da maresia e ter a segurança comprometida.

equip

Fonte: Gazeta do povo